Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Feira Nacional do Podrão reúne criações como coxinha de 1kg

Compartilhe:
coxinha-de-1-quiloalta-mape-digital-jpg-pagespeed-ic-zkhc_sagcr

Gíria carioca para comida barata, hipercalórica e exótica. O termo podrão ganhou tanta popularidade que precisou até de um evento para chamar de seu. A segunda edição da Feira Nacional do Podrão, que acontece amanhã e domingo, no Terreirão do Samba, é prova disso. São dezenas de barracas com lanches de pirar qualquer um, com preços que variam entre R$ 3 e R$ 40! É bom chegar com (muita) fome ou ir acompanhado.

Alguns pratos chegam a ser obscenos, como a barca com quatro hambúrgueres, seis nuggets, calabresa e fritas. Ou o açaí servido no liquidificador com uma barra de chocolate, creme de avelã, chantilly e outros possíveis 16 acompanhamentos.

— E ainda tem o açaí na melancia, para dez pessoas — lembra o criador da bebida colossal, Rodrigo da Silva, que vendia doce na rua, antes de virar celebridade no bairro de Cavalcanti, na Zona Norte: — Já perdi mercadoria, peguei chuva, caí num bueiro e quase morri num temporal. Hoje, tenho uma loja para 120 clientes, em frente ao ponto onde trabalhei como camelô. Uma vez, numa blitz, um policial me reconheceu e disse que a sua mulher era minha fã — diverte-se.

A primeira edição, em março, foi tão concorrida que havia fila antes da abertura dos portões.

— O evento viralizou. Esperávamos 500 pessoas e apareceram mais de 5 mil em um dia — conta uma das organizadoras da feira, Natália Alves.

Dessa vez, ela garante fartura e nada de perrengue, além de atrações culturais e infantis (haverá um espaço especial para os pequenos). No domingo, o grupo Revelação faz show, em homenagem ao Dia dos Pais.

— A comida de rua resiste e só cresce. São empreendedores que oferecem pratos fartos e de qualidade — diz Natália.

Feira Nacional do Podrão: Terreirão do Samba. Rua Bendito Hipólito 66, Centro — 2088-1955. Sáb e dom, das 12h às 20h. R$ 5 e 1kg de alimento (entrada). Livre.

Matéria Publicada em extra.globo.com

Deixe seu comentário: